MORRE O JUIZ APOSENTADO, ESCRITOR, VEREADOR E PROFESSOR AUGUSTO JOSÉ VIEIRA NETO, O NORTE MINEIRO AUGUSTÃO BALA DOCE

Foto Oliveira Júnior
Augusto “Bala Doce” com os jornalistas Aldeci Xavier, Luís Carlos Novaes, o Peré e Christiano Jilvan: Encontro da Imprensa do Norte de Minas em 2013.
MONTES CLAROS (por Oliveira Júnior*) – Faleceu neste domingo, dia 22 de outubro, o advogado Augusto José Vieira Neto, o “Augustão Bala Doce”, como era mais conhecido. Aos 72 anos de idade, ele não resistiu à enfermidade e foi encontrado morto em seu apartamento, no bairro Morada do Sol, na cidade de Montes Claros, onde nasceu em 25 de fevereiro de 1945.
Augusto “Bala Doce” foi Juiz de Direito pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, além de ter sido advogado, escritor, professor universitário e ainda vereador por Montes Claros, época em que foi líder do prefeito Antônio Lafetá Rebello. Augusto foi professor e Diretor da Faculdade de Direito da FUNM (hoje Unimontes), ex-presidente da 11a. Subseção da OAB/MG.
“Bala Doce” casou duas vezes e teve três filhos. “Torço pelo Galo, sem ter antipatia do Cruzeiro e do América, dos quais fui atleta de basquete, na juventude”, citou em uma das suas publicações em rede social. Augustão partiu eternamente sem presenciar, na tarde deste domingo, a vitória do seu Atlético diante do maior rival, o Cruzeiro.
O falecimento de Augustão “Bala Doce” ocorreu 17 dias após completar três anos do falecimento do seu amigo Luís Carlos Vieira Novaes, o Peré, que nos despediu eternamente em 5 de outubro de 2014. No dia 21 de novembro de 2014, um mês e meio após a partida do amigo Peré, Augusto havia publicado em sua página na rede social um texto do Luís Carlos Novaes (Peré) quando esse retrata os escritos do juiz aposentado e escritor “Bala Doce”.
Foto Oliveira Júnior
Colunista Maicon Tavares, Júlio César “Zé Gúi” Soares e Augusto “Bala Doce”: dezembro de 2013.
A VIDA DE AUGUSTO “BALA DOCE” ESCRITA POR ELE
Meu nome completo é Augusto José Vieira Neto. Meu apelido, desde os treze anos, é Bala Doce. Tratam-me também por Bala ou Balinha. Nasci na cidade norte-mineira de Montes Claros, num domingo, dia 25 de fevereiro de 1945. Toco piano e violão. Compus duas músicas (fiz também as letras): a primeira chama-se Amigo Zé, em homenagem ao maior amigo que tive em sua vida, José Carlos Novaes da Mata Machado, o “Veião”, assassinado pela ditadura, em outubro de 1973. A segunda se chama Voz Operária, (a letra tem a parceria do “Veião” e de meu filho, o Combat). Essa canção foi censurada num Festival Universitário da Canção, no Rio de Janeiro e, depois, num Festival Estudantil, em minha terra natal. Sou parceiro de Heitor de Pedra Azul na letra da música “Naquela Casa”; de Carlos Maia, na letra da música “Estrela Guia” e de Tone Noel, na letra da música “Noite Infeliz”.
Estudou na Universidade de Harvard
Até o antigo curso científico estudei em minha terra, com dois períodos fora: um com os salesianos do Colégio D. Bosco, de Cachoeira do Campo, MG; outro, com os franciscanos, do Colégio Santo Antônio, de Belo Horizonte. Fiz cursinho pré-vestibular no Champagnat, de Belo Horizonte e fui aprovado nos vestibulares de Direito das universidades católica e federal. Optei pela última, onde recebi os graus de bacharel e de estudos superiores de doutorado em direito público. Fui da JEC, da JUC, da AP e estudei um mês, como bolsista da AUI, na Universidade de Harvard. Participei, ativamente, da luta contra a ditadura.
Foto Victória Novaes
Augusto “Bala Doce” com os jornalistas Aldeci Xavier, Luís Carlos Novaes, o Peré e Oliveira Júnior: Encontro da Imprensa do Norte de Minas em 14 de dezembro de 2013.
Presidiu time profissional de futebol
Em dezembro de 1969, retornei à minha terra. Advoguei em todo o Norte de Minas e Sul da Bahia. Presidi um time de futebol de Montes Claros, chamado Cassimiro de Abreu, (assim mesmo, com dois esses, em homenagem não ao poeta carioca, mas a um montes-clarense), que disputou, por dois anos, o campeonato mineiro de futebol da primeira divisão.
Depois fui eleito presidente da 11ª Subseção, da Seção de Minas Gerais, da Ordem dos Advogados do Brasil por dois biênios. Paralelamente trabalhava na Reitoria da Universidade, onde lecionei, em três Faculdades, várias disciplinas de minha área especializada (Teoria do Estado, Política, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Finanças Públicas e Economia Política). Escrevia nos jornais da terra e lancei meu primeiro livro, que é uma breve história da Faculdade de Direito do Norte de Minas.
Fui eleito para a Academia Montes-clarense de Letras e tornei-me titular de sua cadeira, de nº 34. Entrei e saí da política para apoiar um conterrâneo e um dos grandes homens que conheci em minha vida, chamado Antônio Lafetá Rebello, ao cargo de Prefeito de Montes Claros. Fui seu líder na Câmara Municipal por quatro anos seguidos. Renunciei ao mandato de vereador, em 1980, quando ocorreu sua prorrogação, sem audiência popular.
Cidadão Honorário de BH
No início do ano de 1982, fiz concurso para Juiz de Direito e fui aprovado. Tomei posse no dia 21 de setembro daquele mesmo ano na Comarca de Jequitinhonha, onde permaneci por mais de quatro anos. Fui promovido, por antiguidade, para as Comarcas de Ipanema, Pirapora (de onde me removi, voluntariamente, para a Comarca de Betim) e Belo Horizonte. Tomei posse em Belo Horizonte em 25 de maio de 1992, onde me aposentei, também voluntariamente, como titular da 6ª Vara Criminal, no dia 12 de agosto de 1997.
Em 1997 tive a honra de ser aprovado em concurso público e lecionar por dois anos, Processo Penal e Prática de Processo Penal, na Faculdade de Direito da UFMG.
De fevereiro a setembro de 1999, exerci o cargo de Procurador-Chefe da Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais.
Por iniciativa do vereador Antônio Evangelista “Totó” Teixeira, Presidente da Câmara Municipal, recebi, no dia 27 de março de 2007, o título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte.
Foto Oliveira Júnior
Augusto “Bala Doce” com o jornalista Nairlan Clayton Barbosa.

Em 3, 6 e 9 de julho de 2007 recebi três homenagens, nas comemorações do sesquicentenário de minha aldeia: a medalha “civitas” (da Prefeitura Municipal), a medalha “personalidade ilustre” (do jornal “O Norte de Minas”) e um diploma, outorgado pela Câmara Municipal e pela Assembleia Legislativa, na homenagem que prestaram a todos os ex e atuais vereadores do município, em nome dos quais, na solenidade, tive a imensa honra de agradecer.
Em 2008 tive a honra de receber a “Medalha José Carlos Mata Machado”, nas comemorações do centenário do Centro Acadêmico Afonso Pena, da Faculdade de Direito da UFMG.
Em 2010 fui agraciado com a “Medalha Mathias Cardoso”, do “Movimento Catrumano de Minas Gerais.
Fui assessor cultural da presidência da Associação dos Magistrados Mineiros (AMAGIS) e presidente da Comissão OAB-Cultural, da Seção Mineira, da Ordem dos Advogados do Brasil.
Em março de 2012 fui homenageado com o “Troféu Bola Cheia”, criado pelo jornalista Denarte D’Ávila. Em maio de 2012 recebi o "Troféu Guimarães Rosa", no 3º Festival de Cinema de Montes Claros.
Livros
Eis os nomes de alguns livros que ele publicou: Casa do Direito (1979); Estórias do Bala – volume 1 (1996); Estórias do Bala – volume 2 (1997); Judiciário Penal e Cidadania (1998); Balorizonte – memórias (1999); Bala XXI (2000); Baladas (2001); Bala 60 (2005); Nico Porreta (2009) e Vou te contar (2009). Participei de dois livros: Éramos Felizes e Sabíamos e Amor na Zona.
PERÉ COMENTA “O ROUBO DO PEQUI ATÔMICO”, OBRA DE AUGUSTO “BALA DOCE”
(Augusto havia publicado, em 21 de novembro de 2014, em sua página no Facebook, um mês e 16 dias após o falecimento de Peré.)
“O Roubo do Pequi Atômico”, de Augusto “Bala Doce”, por Luís Carlos Vieira Novaes, o Peré
“Ao terminar a leitura d’ “O Roubo do Pequi Atômico”, o britânico/norte-mineiro livro de Augusto Vieira, acredito mais ainda naquela máxima de que quanto mais o artista fala sua aldeia, mais ela se torna universal. Pois Augustão Bala Doce, o tio Bala de meus filhos, aposta na história e nas estórias deste “montes craro” de Deus - e de sua imaginação -, para fazer um dos relatos mais interessantes e engraçados de nossa aldeia, mostrando como esta cidade tem artista para tudo. Impressiona-me a relação íntima do nosso catrumano, que nos apresenta uma história do outro lado da estória que provoca frisson. Nada é verdade. Mas também nada é falso.
Em “O Roubo do Pequi Atômico”, Augusto Vieira emprega humor ingênuo para alfinetar aqueles que acham que a realeza britânica é séria, quando narra a história fantástica do roubo de um pequizeiro que dava frutos o ano inteiro, no pomar da fazenda “Vaca Brava”, de Sô Air.
Sô Air, para quem não conhece, é aquele personagem da ficção verdadeira que encontramos pelas ruas de Montes Claros. Fazendeiro amante da vida e até pai de prefeito perfeito. Afinal, a vida nunca é onde, ensina João Rosa.
No livro encontramos - e até tomamos uma boa cachaça Havana - com personagens fictícios que andam ao nosso lado. Seja Jerry Alfaiate, Hildebrando Pontes, Bené Garçom, Pedro Tinga, Sá Rita ou o pedreiro Antônio Laurencio. A vida vai, mas vem vindo com Baiano, o agente secreto James Bom de Papo, Mata Ali, Eva Bão, China Pau.
A história gira em torno de um pé e do seu incrível fruto, chamado por Sô Air de pequi atômico. E que, roído, dá um efeito... Afinal, com seus quase 90 anos, aparentando 60 e pouco, Sô Air comparece que nem um jovem de 20 e poucos anos. Rosa já disse: tem coisa e cousa, e o ó da raposa!
Nessa história, sem sonhos ou fantasias, também comparecem personagens diversos. Passam por ela gente como Chico Porras, um velho parceiro de Elthon John naquela música de tanto sucesso; Paula Bicas, que quase foi flagrada com Hugh Grant fazendo coisas (e cousas) em um carro. Escapou por ter deixado a festa antes e ele ter se engraçado com Divine Brown...
Dão um devorteio pela historia o Zé Fumaça, a rainha Betinha, o príncipe Charles, William e Kate, David Beckham, Paul McCartney, Maria Ester Bueno e até Danny Boyle, entre tantos outros.
Entre peripécias, que vão de Campo Azul, no Norte de Minas, à Londres da Olimpíada, do Café Galo ao pub Princess Louise, da rebimboca à parafuseta, do frango ao molho pardo ao salmão defumado passando pelo arroz com pequi e carne de sol (de dois pelos, por favor), ficamos sabendo que Betinha descerá no aeroporto de Montes Claros no dia 27 de novembro. É, Elizabeth Alexandra Mary de Windsor, a monarca do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, e rainha de uma porrada de lugares, estará presente na festa dos 90 anos de Sô Air. Que hoje é Lorde da Grã-Bretanha. E tudo isso graças a observações de Peter Lund. Quem diria?
Mas para saber mais, vamos dar uma lida no livro do Augustão... (*com dados do acervo do escritor Augusto José Vieira Neto, o “Augustão Bala Doce”)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACIDENTE NA MG-401, PERTO DE JANAÚBA; UMA PESSOA MORREU E OUTRA FICOU FERIDA: CAMINHÃO TOMBOU

SISTEMA DE SAÚDE VERIFICA CASO SUSPEITO DE CORONAVÍRUS EM JANAÚBA

ASSASSINATO EM JANAÚBA: VÍTIMA MORREU AO SER ATINGIDA POR GOLPE DE FACA