CHORO POR TI, GENTE INOCENTE!


“Sai de casa na manhã dessa quinta-feira, dia 5 de outubro de 2017, com a missão de acompanhar e propagar alguns eventos alusivos ao dia das crianças. Estaria na manhã e tarde dessa quinta-feira em escolas da cidade e comunidade rural, e no dia seguinte, pela manhã e à tarde, em outras escolas, todas em Nova Porteirinha. Iria fotografar e filmar e ainda conversar e até brincar com crianças. Momento antes de embarcar...aquele sorriso que esperava registrar mudou. A expressão de alegria foi substituída por tristeza e na mente várias interrogações para tentar entender da situação que acontecia: o incêndio numa creche que causou fatalidade, dor, medo, desespero. O embarque não aconteceu. O meu destino, juntamente com os colegas da Secretaria de Saúde e de outros órgãos de Nova Porteirinha, foi levar ajuda (medicamentos e materiais de socorro) às vítimas ora internadas no pronto socorro do Hospital Regional de Janaúba.
Essa triste realidade originava de uma unidade escolar, a creche Gente Inocente, no bairro Rio Novo, em Janaúba. No local, quatro crianças mortas em decorrência de queimaduras de incêndio que, segundo a polícia, foi provocado por um vigia da própria creche. E mais de 40 pessoas, a maioria crianças, tiveram que ser levadas para o pronto socorro. Alunos e funcionários foram queimados no incêndio. Parte das vítimas foi atendida e liberada – leves queimaduras ou inalação da fumaça. Mais tarde algumas dessas vítimas retornaram ao hospital por não sentirem bem e outras diante da recomendação médica. Mas, outras crianças e funcionários ficaram internadas.
Até hoje, manhã de domingo, dia 8 de outubro, estou sem definição para essa situação...fui para o hospital Regional, lá dentro, mais em missão de voluntário, vivenciando o drama e o esforço de cada um. Vi algumas vítimas sendo atendidas, apesar de que aparentemente a situação era menos dolorosa. Dessa vez a emoção tomou conta...não encontrava palavras para escrever e dizer. No piscar dos olhos passa em minha frente volumes e mais volumes de doações (medicamentos. água, roupas, materiais de higiene e limpeza). Esse ato de solidariedade não parava. Seguiu pela manhã, tarde e nos dias seguintes. Entre as doações, infelizmente, aumentavam a dor, o choro, a triste informação de mais fatalidade e a necessidade de remover vítimas para outras unidades diante da gravidade dos ferimentos, das queimaduras. Entre tentar entender a situação surgia a angústia, o choro. Sim, chorei e ainda choro. Meus sentimentos e meu choro às vítimas e suas famílias, principalmente ao amigo Luiz Carlos Batista, o Carlinhos de Nova Porteirinha, que foi meu colega de internato em colégio. Naquele boletim médico anunciado no meio da tarde de quinta-feira vi mais ainda o sofrimento de Carlinhos diante do estado clínico da sua esposa Heley. Quase sempre a via quando ia para o meu trabalho na prefeitura ou na rádio, em Nova Porteirinha. Quanto sofrimento. Anos atrás esse casal perdeu um filho, uma criança, afogada numa piscina...o Carlinhos, na época do colégio internato, havia sofrido acidente de motocicleta que afetou um das suas pernas. Amigo, Carlinhos tenha força.  Imagino também o quão deverá ser doloroso para as famílias dessas vítimas daqui pra frente. Para mim tem sido difícil acompanhar esses fatos. Justamente no dia 5 de outubro de 2014, três anos atrás, perdia um inesquecível amigo, irmão e colega jornalista (Luís Carlos Novaes, o Peré). Choro. Sim, choro e sinto a dor das famílias das crianças e dos funcionários da Creche Gente Inocente. Quase 20 anos atrás tive um sobrinho, ainda criança, que ficou internado por causa de queimaduras. Diante de um descuido, a água quente numa vasilha em fogão caiu nele atingindo-o em parte do rosto e do corpo. Vi o pequeno sobrinho no hospital...com as graças de Deus ele conseguiu se recuperar. Nesse momento, sentimos as dores das inocentes crianças dessa unidade de ensino. Choro e ao mesmo tempo agradeço o empenho de cada profissional da área de saúde, da assistência social, socorristas, outros profissionais e inúmeros voluntários na ajuda instantânea e posteriormente ao triste fato. Eu choro, você chora, todos choramos. Sim, deixe as lágrimas caírem...penso que devemos proliferar a união em apoio às vítimas e às suas famílias e também àqueles que, mesmo não sendo parentes das vítimas, mas que também sofrem. Aceitemos qualquer tipo de ajuda, de apoio. Penso que o momento é deixar de lado a adversidade (a paixão) seja no campo político e profissional. Penso que o momento requer solidariedade, ação rápida e duradoura para salvar as vidas e acolher os afetados, principalmente para cicatrizar as feridas. Penso também que devemos acolher a família do funcionário que...acredito que essa família também sofre com essa situação.
Penso que o momento é possibilitar que as famílias das vítimas, e principalmente as crianças, possam, pelo menos, serem assistidas e seguirem a vida.
Choro por ti...
Gente Inocente!”


(Oliveira Júnior, jornalista)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ACIDENTE NA MG-401, PERTO DE JANAÚBA; UMA PESSOA MORREU E OUTRA FICOU FERIDA: CAMINHÃO TOMBOU

SISTEMA DE SAÚDE VERIFICA CASO SUSPEITO DE CORONAVÍRUS EM JANAÚBA

ASSASSINATO EM JANAÚBA: VÍTIMA MORREU AO SER ATINGIDA POR GOLPE DE FACA