FAMÍLIAS DE ATINGIDOS TEMEM INDENIZAÇÃO BAIXA DAS TERRAS

Foto Oliveira Júnior
Integrantes da 5ª Expedição Caminhos dos Geraes na serra Campina do Bananal e área que fará parte do Parque Estadual de Botumirim, no sábado, dia 9 de setembro.
BOTUMIRIM (por Girleno Alencar) – A criação do Parque Estadual gera polêmica em Botumirim. O aposentado Roque Celestino Veloso, 75 anos, que é locutor voluntário da rádio Serrinha, a única da cidade, é tesoureiro da Comissão de Atingidos do Parque, pois tem 22 hectares na região de São Domingos, onde cria 20 cabeças de gado, mas ficou assustado com a reunião realizada pelo IEF, no local, e avaliou que o hectare custará R$1 mil e, ainda, não serão pagas as benfeitorias das propriedades.
Ele ocupa a área ali em herança do seu bisavô e não concorda com essa avaliação, pois garante que o terreno custa R$3 mil o hectare e com as benfeitorias, estima que tem de receber R$165 mil pelo seu imóvel. Mesmo com a seca que castiga Botumirim, afirma que ainda existe pastagem em sua área.
Ele está impressionado com a postura ostensiva e agressiva do IEF nesse episódio, pois quando antecipou a avaliação do preço da terra abaixo da realidade e ainda anunciou que não pagará pelas benfeitorias, armou as famílias, que estão dispostas a enfrentar em defesa dos seus direitos e inclusive procurar a Justiça se necessário. O maior absurdo, segundo Roque Ferreira, é que o IEF não aponta como as famílias que serão atingidas irão sobreviver. Um abaixo assinado com centenas de assinaturas cobrou o respeito ao direito dos proprietários das terras.
O ex-secretário municipal de Agricultura Familiar, João Walter Ferreira, 66 anos, vendeu uma casa em Botumirim para comprar uma área de 25 hectares na região de São Domingos onde produz couve, alface, coentro e outras espécies da olericultura, visando complementar a sua aposentadoria. Um molho de alface ele vende a R$1,00 na cidade. Além disso, planta feijão, milho, cenoura, mandioca, cana, usando o que se produz para sustentar a esposa, duas filhas e netos. O excedente é vendido na cidade. Porém, está assustado, pois se saiu da cidade para morar no campo, teme perder sua fonte de vida e ainda com prejuízos.
O que chama sua atenção é que entrou com pedido de financiamento no Pronaf no valor de R$25 mil, pois pretendia comprar umas vacas e, com isso, ter leite in natura e com o soro, produzir o queijo e ainda montar um galpão onde criaria galinha caipira e porcos. O seu financiamento não foi aprovado e ele teme que seja por causa do risco de ter as terras desapropriadas. Sempre acompanhado do neto Gabriel, de sete anos, que o sucederá na profissão, João Walter afirma que toda sua produção é orgânica, pois usa o estrume produzido pelo boi para adubar o plantio. Afirma que a conscientização ambiental é visível: protege o roedor Mocó, que existe em grande escala na serra próxima a sua propriedade. Por fim, não aceita entregar sua propriedade por menos de R$150 mil, pois somente a caixa d’água de 160 mil litros é orçada em R$40 mil. (Fonte: jornal Gazeta Norte Mineira, edição de 11 de setembro de 2017)

***O Jornalista Oliveira Júnior fez parte da 5ª Expedição Caminhos dos Geraes a convite do Instituto Grande Sertão, Fundação Genival Tourinho e da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Montes Claros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COLISÃO FATAL ENTRE ÔNIBUS E CAMINHÃO NA BR-122, EM JANAÚBA: UMA PESSOA MORRE POR TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

ACIDENTE NA MG-401, PERTO DE JANAÚBA; UMA PESSOA MORREU E OUTRA FICOU FERIDA: CAMINHÃO TOMBOU

SISTEMA DE SAÚDE VERIFICA CASO SUSPEITO DE CORONAVÍRUS EM JANAÚBA